domingo, 26 de julho de 2015

Mais uma ilusão

Estávamos parados no trânsito. Eu ia atrás, perdida nos meus pensamentos com o olhar fixo para o outro lado da janela e por um mero impulso olho para o espelho do retrovisor e vi-te a olhar para mim. E foi nesse instante que o meu coração estremeceu.  E desde esse momento tenho dito a mim mesma "não te iludas". 
"Nem sempre há um herói. Assim como nem sempre há um vilão. A maioria das pessoas está algures entre os dois." - Patrick Ness (Sete Minutos Depois Da Meia-Noite)

terça-feira, 14 de julho de 2015

segunda-feira, 13 de julho de 2015


Já não acredito em olhares. E nem em sorrisos. Não vou ficar apanhada por ti por causa desses olhares e sorrisos. Não é por mostrares umas trombas de vez em quando que vais conquistar-me. Não é por mostrares que preocupas mais com a outra do que comigo que vais deixar-me com ciúmes. Antes pelo contrário, vais afastar-me cada vez mais. Antes de ganhares a minha admiração e o meu carinho, só estás afastar-me. Queres brincar aos olhares mas assim não vais conseguir arrancar de mim nenhum sentimento. Porque quem gosta preocupa-se e não precisa de fazer esses jogos. E vejo que não há nenhum pingo de preocupação vindo do teu lado! 
Fartei-me desses olhares, quero é seguir em frente e encontrar alguém que realmente goste de mim e mostre-o com simples gestos de carinho.

domingo, 12 de julho de 2015

quinta-feira, 9 de julho de 2015

Ando tão cansada que não tenho vontade para nada. Chego a casa e só quero é ir dormir. Isto do estágio anda a matar-me!

segunda-feira, 6 de julho de 2015

E hoje ainda é só segunda e já queria que fosse sexta-feira outra vez.

sexta-feira, 3 de julho de 2015


Não sou daquelas pessoas que dão-se a conhecer facilmente. Não gosto que pessoas que não significam nada para mim conhecem o meu verdadeiro eu, porque assim sabem como magoar-me. Por isso, construí uma bolha invisível na qual sinto-me protegida e não deixo entrar qualquer um. Deixo só entrar aqueles que mostram que merecem conhecer-me, que merecem o meu afecto e a minha amizade.
Sou demasiada selectiva e desconfiada. Não confio nas pessoas facilmente, porque sei que a maioria delas são mesquinhas e não são aquilo que aparentam ser. Não gosto falar de mim, no qual leva-me a ter problemas de integração no trabalho. Estão todos para ali a falarem da vida deles e sobre eles mesmos e eu ali calada. Nem um comentário faço de mim própria! Mas assim sinto-me segura. Sinto que o importante está guardado dentro de mim e ninguém têm o direito de saber.